Pesquisa mostra os fatores mais relevantes para a geração Y ao procurar emprego

Um bom cargo e um salário satisfatório são os pontos mais relevantes para a maioria dos profissionais. Porém, não é o que se reflete na tão falada “geração Y”. Pelo menos é o que mostrou uma pesquisa da Page Personnel, empresa de recrutamento pertencente ao PageGroup.

De acordo com Ricardo Haag, diretor da Page Personnel, a geração Y leva em conta outros fatores, além de cargo e salário. Plano de carreira, benefícios diversificados e horário flexível estão entre os principais fatores observados pelos profissionais desta geração. Para chegar a esta conclusão, a Page Personnel entrevistou entre julho e outubro de 2015 cerca de 2 mil profissionais. O resultado você confere agora.

Lista de fatores mais atrativos para a geração Y ao buscar um emprego:

  1. Plano de carreira bem estruturado – 66%
  2. Pacote de benefícios diverso – 57%
  3. Horários flexíveis de trabalho – 37%
  4. Reputação positiva da companhia – 33%
  5. Habilidade de oferecer desafios constantes – 29%
  6. Transparência na avaliação de resultados – 25%
  7. Possibilidade de job rotation/ gestão de projetos – 20%
  8. Habilidade da companhia se renovar e ser bem sucedida – 20%
  9. Empresa com programas de responsabilidade social – 5%
  10. Empresas com programas consolidados de sustentabilidade – 4%

Em busca de oportunidades em algumas das melhores empresas do Brasil? Acesse: http://goo.gl/aY6cfF

Autor: Salgado / CEVIU
Fonte: G1

 

IMA – Informática de Municípios Associados lança edital de concurso público com salários de até R$ 4,6 mil

concurso-publico-022

O IMA – Informática de Municípios Associados S/A lançou edital com 10 vagas para concurso público para a cidade de Campinas com salários de até R$ 4,6 mil.

As vagas são para nível médio, técnico e superior, divididos em 2 editais. Para nível superior, os cargos são para Analista de Tecnologia da Informação Jr., com função de Sistemas. O salário oferecido é de R$ 4.689,18. Para técnico, as vagas são para Técnico em Tecnologia da Informação, nas funções de Telecomunicações, Teleatendimento, Atendimento Usuário e Desenvolvimento, com salários entre  R$ 1.735,07 e R$ 2.313,43. Já para nível médio, as oportunidades são para Assistente I, com função de Atendimento e Informações.

As inscrições vão até o dia 1º de março através do site: http://www.shdias.com.br/

Se você está em busca de vagas de TI, acesse: http://goo.gl/IIoRZt

Autor: Salgado / CEVIU

Lista: os 10 brasileiros mais influentes do LinkedIn

Abilio

Como faz todos os anos, o LinkedIn listou os maiores “influenciadores” da rede social. Trata-se de uma lista com nomes de peso no mundo dos negócios que tenha escrito artigos com grande relevância na rede social.

Entre os eleitos, encontram-se 34 brasileiros. A EXAME.com teve acesso aos 10 mais bem colocados no ranking. Confira a lista e o link para o perfil de cada um no LinkedIn:

 

Autor: Salgado / CEVIU
Fonte: Exame.com

Sem sucesso na sua busca por um novo emprego? Saiba como melhorar seu desempenho e encontrar o emprego certo

GetbackjobsearchMojo

Semana após semana, o telefone não toca e seu e-mail não é retornado. Não é exatamente a situação que você esperava dos empregadores quando você começou sua busca por um novo trabalho, correto?

A boa notícia é que profissionais qualificados sempre estão com alta demanda no mercado. Ainda assim, conseguir o emprego certo requer diligência e paciência. Supondo que você tenha a maioria das competências exigidas nas vagas de trabalho que está se candidatando, ainda assim, pode haver uma série de razões que justifiquem o fato de você não ter sido chamado para uma entrevista ainda.

Confira agora quatro dicas para que sua busca por um novo emprego comece a gerar os resultados que você deseja.

  1. Foque nos verdadeiros tomadores de decisão

Nem sempre é possível entrar em contato com que realmente toma as decisões no processo de contratação de uma empresa, mas se você está realmente interessado em uma posição e não se contentar com o envio de seu currículo, esta é uma boa opção. Se o nome do tomador de decisão não estiver descrito na vaga, você pode recorrer às redes sociais em busca desta informação. Algumas pesquisas on-line simples podem revelar o nome e e-mail do gerente de contratação ou a pessoa responsável por esta função. O contato direto com esta pessoa pode ajudá-lo no processo.

  1. Personalize seu currículo e carta de apresentação

No mundo dos currículos, tamanho não quer dizer nada. Cartas de apresentação clichê muito menos. Fique atento aos detalhes descritos no anúncio de emprego e use algumas das mesmas palavras em seu CV e carta de apresentação. Também não deixe de realçar quaisquer competências não especificadas mas que fariam de você um bom candidato ainda mais adequado ao cargo.

  1. Acompanhamento

Alguns candidatos ficam preocupados se as dicas acima pode parecer agressivas do ponto de vista dos recrutadores. Porém, isto não costuma acontecer. De acordo coma consultoria Robert Half, uma pesquisa feita com empregadores mostrou que eles incentivam os candidatos a se mostrarem interessados pela vaga através de contato telefônico ou email para saber sobre o processo de contratação. Claro que o bom senso deve prevalecer e o candidato precisa estabelecer a diferença entre se mostrar interessado e ser inconveniente.

  1. Certifique-se de que você tem uma boa reputação online

Da mesma forma que a internet e as redes sociais podem ser positivas na sua busca por um novo emprego, elas também podem mostrar um lado que entrevistas e currículos não mostram. Lembre-se que é fácil para um potencial empregador encontrar todos os seus perfis no Facebook, Twitter, Instagram e visualizar suas atividades. A maioria dos gerentes de contratação vai realizar pelo menos uma pesquisa rápida na Internet para ver o que mais eles podem aprender sobre você, seus interesses e o que as pessoas que você conhece estão dizendo a seu respeito. Fique atento a isto.

Uma palavra final

Não leve a falta de respostas tão a sério. Às vezes, outros candidatos simplesmente têm mais experiência ou conhecimentos específicos do que você, o que lhes da certa vantagem.

Se você sabe que está tomando todas as medidas certas na sua busca e tem uma experiência de trabalho sólida, provavelmente seja apenas uma questão de tempo para você encontrar o trabalho certo para sua carreira.

Autor: Salgado / CEVIU
Fonte: CareerBuilder

 

Confira a lista divulgada pelo LinkedIn com as competências mais buscadas pelos recrutadores em 2015

linkedin

A maior rede social profissional do mundo divulgou a lista das competências mais procuradas pelos recrutadores em 2015. Como faz anualmente, o LinkedIn fez um levantamento com base nas buscas feitas pelos empregadores entre janeiro e dezembro do ano passado.

O resultado divulgado é dividido entre 10 países, entre eles o Brasil.

Confira a seguir a lista das competências mais buscadas no Brasil e no mundo.

Brasil:

Ranking Categoria de competência Variação da frequência de buscas 2014-2015
1 Análise estatística e mineração de dados 0%
2 Desenvolvimento mobile 9%
3 Segurança de qualidade (QA) de software e teste de usabilidade 9%
4 Logística 1%
5 Arquitetura da web e frameworks de desenvolvimento -2%
6 Middleware e softwares de integração -2%
7 Engenharia e armazenamento de dados 3%
8 Segurança da informação -2%
9 Recursos humanos (benefícios e compensações) 15%
10 Direito empresarial e governança não apareceu na lista de 2014
11 Segurança no trabalho não apareceu na lista de 2014
12 Design de interfaces 4%
13 Desenvolvimento de aplicativos para Microsoft 8%
14 Business Intelligence -6%
15 Sistema de Controle de Revisão (SCR) -8%
16 Recrutamento -14%
17 Políticas públicas e relações internacionais não apareceu na lista de 2014
18 Engenharia de materiais não apareceu na lista de 2014
19 Perl/Python/Ruby -4%
20 Desenvolvimento em Java -3%
21 Desenvolvimento de negócios e gestão de relacionamento não apareceu na lista de 2014
22 Marketing em mídias sociais -13%
23 Marketing digital -9%
24 Modelagem de software e design de processos -4%
25 Linguagens de shell scripting -7%

Mundo:

Ranking Categoria de competência Variação da frequência de buscas 2014-2015
1 Computação em nuvem e distribuída não apareceu na lista de 2014
2 Análise estatística e mineração de dados -1%
3 Gestão de campanhas de marketing 9%
4 Marketing, SMO e SEO 1%
5 Middleware e softwares de integração -3%
6 Desenvolvimento mobile 1%
7 Segurança da informação -3%
8 Logística -5%
9 Arquitetura da web e frameworks de desenvolvimento -1%
10 Design de interfaces 4%
11 Engenharia e armazenamento de dados 0%
12 Design de algoritmos -3%
13 Perl/Python/Ruby -3%
14 Linguagens de shell scripting 9%
15 Sistemas Mac, Linux e Unix -2%
16 Marketing de canal 4%
17 Virtualização 8%
18 Business Intelligence -12%
19 Desenvolvimento em Java 0%
20 Engenharia elétrica e eletrônica não apareceu na lista de 2014
21 Gestão e software para base de dados não apareceu na lista de 2014
22 Modelagem de software e design de processos não apareceu na lista de 2014
23 Segurança de qualidade (QA) de software e teste de usabilidade não apareceu na lista de 2014
24 Economia -6%
25 Direito empresarial e governança não apareceu na lista de 2014

Autor: Salgado / CEVIU

 

O famoso método Acelerado da Green Treinamento

A Green Treinamento, Centro Oficial Microsoft Learning Partner Gold, criou em 2014 um novo formato de entrega dos conteúdos das formações MCSA Windows Server e MCSA SQL Server chamado de ACELERADO, onde a demanda de mercado moderna é satisfeita de maneira inovadora e criativa. Em resumo:

ACELERADO (3 cursos em 1) = +Rápido +Econômico +Conteúdo

Este novo formato consiste em agrupar os tópicos dos 3 cursos de cada uma dessas formações por assuntos, uma vez que vários temas se repetem nos 3 cursos. Desta forma o aprendizado é otimizado e a carga horaria presencial reduzida. Este novo formato de entrega também disponibiliza em um ambiente online materiais de auto estudo incluindo pré-requisitos das formações, simulados para os exames de certificação e materiais complementares.

Além disso, no curso tradicional há um foco nos assuntos relacionados aos exames de certificação, entretanto, nem sempre estes conteúdos são os mais importantes para o dia a dia do profissional no mercado de trabalho. No formato acelerado não deixamos de abordar estes assuntos relacionados aos exames, mas a ênfase é dada aos assuntos do dia a dia do profissional enquanto a ferramenta de auto estudo oferece matérias complementares que auxiliam os alunos que pretendem se certificar.

A Metodologia do Treinamento “Acelerado” foi eleita pela Microsoft a melhor Solução de Capacitação no ano de 2015 conquistando o  1º lugar na Categoria Learning da América Latina e Caribe.
Conheça mais sobre as formações e Carreiras:

http://www.green.com.br/infogreen/17-06-2015/17-06-2015.htm

Fonte: Green Treinamento

Pesquisa revela quais as profissões mais e menos estressantes para 2016

Work-stress

Uma recente pesquisa realizada nos Estados Unidos identificou quais as profissões mais e menos estressantes para 2016. Os resultados foram baseados em 11 fatores: viagens a trabalho, potencial de crescimento, prazos, impacto público, competitividade na empresa, desgaste físico, ambiente, risco de vida, perigos envolvidos, interação com o público, vida de outros em risco.

A partir da pontuação de cada profissão em relação aos fatores acima, os resultados foram:

Profissões mais estressantes:

1-  Militar alistado | Nível de estresse: 84,78

2- Bombeiro | Nível de estresse: 60,59

3- Piloto de avião | Nível de estresse: 60,46

4- Policial | Nível de estresse: 53,82

5- Coordenador de eventos | Nível de estresse: 49,93

6- Relações Públicas | Nível de estresse: 48,46

7- Executivo Corporativo | Nível de estresse: 47,46

8- Radiodifusor | Nível de estresse: 47,30

9- Repórter de jornal | Nível de estresse: 46,76

10- Taxista | Nível de estresse: 46,33

Profissões menos estressantes:

1- Analista de segurança da informação | Nível de estresse: 3,80

2- Médico ultrassonografista | Nível de estresse: 4

3- Professor univesitário | Nível de estresse: 6,94

4- Cabeleireiro | Nível de estresse: 7,47

5- Técnico de registros médicos | Nível de estresse: 7,55

6- Técnico de laboratório | Nível de estresse: 8,98

7- Joalheiro | Nível de estresse: 9,10

8- Audiologista | Nível de estresse: 9,30

9- Nutricionista | Nível de estresse: 10,23

10- Bibliotecário | Nível de estresse: 10,58

Fonte: Careercast
Autor: Salgado / CEVIU

Temperatura no ambiente de trabalho pode interferir na produtividade dos profissionais

Calor trabalho

Diversas pesquisas sobre o ambiente de trabalho são realizadas todos os anos. A conclusão que se tira é a de que muitos fatores são relevantes no que diz respeito à produtividade dos profissionais. Sejam os tradicionais salários e benefícios, até temas como as roupas permitidas ou horários flexíveis. A mais recente pesquisa da CareerBuilder aborda um novo assunto que também interfere no desempenho dos profissionais: a temperatura no ambiente de trabalho.

De acordo com a pesquisa, um em cada 5 profissionais (20%) já discutiu com um colega de trabalho por conta da temperatura do ar-condicionado. Já 18% dos entrevistados revelou já ter alterado de forma “secreta” a temperatura do ar. Apesar de parecer um tema irrelevante, a pesquisa mostrou que 53% dos profissionais dizem ser menos produtivos ao trabalharem em um ambiente muito frio, enquanto que 71% disseram que o desempenho cai quando estão em um local quente.

Independente se você prefere frio ou calor, no ambiente de trabalho a temperatura que deve prevalecer é a do bom senso.

Fonte: CareerBuilder
Autor: Salgado / CEVIU

Profissionais de TI devem estar atentos à inovação, afirma especialista

As organizações mundiais estão com a atenção voltada para uma expansão acelerada e, para muitas delas, o investimento em tecnologia é claramente uma estratégia prioritária. A afirmação consta na última pesquisa Global Deloitte CIO. Prova disso são os dados do estudo, que apontam que 71% das prioridades de TI nas empresas estão voltadas a atender às novas necessidades dos negócios. Outros 47% visam impulsionar a estratégia digital.

Para o coordenador do MBA Governança nas Tecnologias da Informação do Instituto de Pós-Graduação e Graduação (IPOG), Gutenberg Silveira, essa realidade recai sobre o profissional de TI, que deve estar cada vez mais preparado para esse contexto. “As organizações exigem profissionais com alto perfil de inovação em TI, para que efetivamente elas possam crescer e implementar uma cultura voltada para inovação”, afirma.

Silveira avalia ainda que as empresas estão no caminho certo. “As corporações estão investindo fortemente no mundo digital, onde algumas tecnologias estão mudando as operações de negócios. Assim, as empresas adaptam seus modelos para se adequar mais a essa economia digital extremamente emergente”, assegura.

Fonte: IPOG

http://www.ipog.edu.br

Cresce o número de profissionais que querem trocar de emprego em 2016

businessman  ready to run and 2016 new year concept

O ano novo começou e com ele novos planos e projetos são traçados. Quem pensa que isto se resume a coisas como trocar de carro, perder peso, encontrar um novo amor está muito enganado. De acordo com uma pesquisa da CareerBuilder, o número de pessoas que querem mudar de emprego em 2016 aumentou. O estudo constatou que 21% dos entrevistados pretendem encontrar uma nova oportunidade para a carreira este ano, contra 16% dos participantes da mesma pesquisa em 2015. Uma particularidade relacionada aos profissionais que desejam mudar de ares este ano diz respeito à idade. Pessoas de 18 a 34 anos representam 30%  dos que querem um novo emprego para 2016.

Outros planos

Além de encontrar um novo emprego, os entrevistados contaram outros planos voltados para a carreira em 2016. São eles:

38% querem economizar mais do salário

28% querem se estressar menos

26% querem um aumento ou promoção no trabalho

19% querem ter uma alimentação mais saudável no trabalho

17% desejam aprender algo novo (cursos, treinamentos, etc)

Por onde começar?

Mudar para um emprego melhor não costuma ser uma tarefa fácil, mas também não é impossível. Para ajudar você a começar, aqui estão três dicas para aumentar suas chances de encontrar uma nova oportunidade em 2016:

  • Use as mídias sociais de forma estratégica. Use redes como o Facebook e principalmente o LinkedIn a seu favor. Saiba que recrutadores observam cada vez mais o comportamento dos candidatos nas redes sociais antes de contratá-los, e não se esqueça de seguir os perfis ou páginas de empresas que deseja trabalhar para se atualizar sobre vagas de emprego e anúncios.
  • Seja espontâneo e verdadeiro. Durante uma entrevista de emprego, seja honesto e haja naturalmente, sem exageros. Leve em consideração suas experiências pessoais, preferências e objetivos de carreira para se colocar como candidato único.
  • Networking. Esteja sempre disponível, troque ideias, mostre para seus contatos que você está em busca de uma nova oportunidade. Suas conexões têm o poder seja para abrir ou fechar portas, e suas relações com eles terá um impacto direto sobre o caminho para novas  oportunidades.

À procura de um novo emprego, mas não sabe por onde começar? Confira milhares de vagas aqui: http://goo.gl/2oh3Fo

Autor: Salgado / CEVIU
Fonte: CareerBuilder

Por que o Site de Carreira é mais importante?

asasas

Seu site de carreiras deve estar no centro de todo o seu recrutamento. Claro que é importante ter uma página da empresa no LinkedIn, Facebook, Google Plus e muitas outras plataformas, mas estas páginas deve ser para a distribuição de conteúdo de qualidade. A intenção de ter um perfil de empresa em vários sites é uma boa. No entanto, você deve certificar se todos os caminhos levam de volta para um site de carreiras unificado e envolvente de sua propriedade. Afinal, você quer priorizar outro site à frente do seu próprio site de carreiras?

 Atrair candidatos para você

A maioria dos candidatos se comportam como um consumidor e fazem muitas pesquisas sobre a empresa antes de se aplicar para um emprego. Como parte desta pesquisa, os candidatos pesquisam no Google para obter informações. Se as pessoas são capazes de encontrar o seu site de carreiras e o site da sua empresa, então você será capaz de analisar e obter mais informações do que as pessoas procuram. Isto é difícil de medir e analisar se você utiliza apenas um site de terceiros.

É claro que os candidatos irão encontrar outras empresas e empregos que estejam interessados ​​em pesquisar. No entanto, isto não se torna mais fácil para eles! LinkedIn, Facebook e os Portais de empregos são mecanismos de engajamento para para várias empresas e assim agrupará suas vagas de emprego com as dos outros para tornar mais fácil para o candidato a visualização de empregos de várias fontes. Ao ter o seu próprio site de carreiras você não estará permitindo que potenciais candidatos sejam atraídos pela concorrência.

Certifique-se de site de sua carreira é atraente para os candidatos

Como mencionado, os candidatos vão visitar uma série de sites antes de tomar uma decisão sobre uma carreira com sua empresa. Enquanto um candidato pode olhar para uma dúzia ou mais locais para tomar uma decisão, um dos mais críticos é o seu site de carreiras. Se o site não for inovador e o processo de aplicação não for fácil, você pode colocar os melhores candidatos fora e forçá-los a procurar emprego em outro lugar. Certifique-se de que seu site de carreiras é envolvente para capturar o interesse dos principais candidatos.

Criar uma associação de talento

O conceito da rede de talento ou pool de talentos está cada vez maior. As empresas estão procurando maneiras de criar um engajamento com os candidatos interessados. Fazer isso através de um canal de terceiros pode diluir a identidade de sua marca. Você deve se esforçar para ter todas as comunicações conduzidas através da sua marca. Um site de carreiras dedicado poderá ajudá-lo a atrair os melhores candidatos.

Não há dúvida de que é difícil para a maioria das empresas desenvolver um grande site de carreiras e manté-lo atualizado. Por estas questões é que a Careerbuilder é uma empresa especializada no desenvolvimento de Site de Carreiras capaz de melhorar o processo de R&S no que envolve a atração, captação e engajamento de profissionais qualificados. A ferramenta se chama Talent Network.

Conheça um pouco mais sobre o Talent Network em: www.talentnetwork.com.br

Quando e como falar sobre salários durante uma entrevista de emprego

Discutir o salário durante uma entrevista de emprego não é das tarefas mais fáceis. Você não quer parecer um mercenário ganancioso, mas também não quer ser pego de surpresa por uma oferta menor do que deseja.

Então como fazer?

Embora cada situação seja diferente, a resposta pode variar um pouco dependendo de suas circunstâncias (o tipo de empresa, o nível que você está, etc.). Conheça algumas dicas para tratar  do assunto quando participar de um processo seletivo.

Tempo certo

O principal problema de tocar no assunto salário no processo de contratação é que ele pode fazer com que você passe uma impressão errada, como de um profissional que está mais interessado do que vai lucrar do que em como irá contribuir.

“O objetivo em uma entrevista é convencer a empresa que você é a melhor pessoa para o trabalho”, diz Susan Pimenta, coach de carreirsa baseada em Boston e CEO da empresa de coaching Partners. “Ao abordar o salário antes que ele seja mencionado pelo recrutador, o candidato a emprego corre o risco de fazer do dinheiro o ponto focal da conversa ao invés de suas contribuições e perfil para a vaga.”

É por isso que a maioria dos especialistas em carreira dizem para esperar até que você tenha uma oferta, ou pelo menos fortes sinais de que a vaga será sua antes de abordar o assunto. Para efeito, Pimenta diz que o assunto não deve ser mencionado até que perguntas como “Quando você está pronto para começar?” ou “Você pode fornecer referências?” sejam feitas pelo entrevistador.

“A melhor maneira de fazer a pergunta é dizer algo como, ‘Eu estou muito interessado e animado sobre a oportunidade e tenho certeza de que vou ser capaz de atender aos desafios propostos. Em relação à parte financeira, quais as condições?”, diz Pimenta.

Deixe o empregador fazer a pergunta

Se não tiver certeza sobre quando ou como perguntar sobre o salário, é melhor deixar o empregador tocar no assunto. No entanto, como a coach Cheryl Palmer aponta, isso não significa que você deve ser totalmente passivo sobre o tema.

“O candidato deve estar preparado para a conversa sobre o salário porque o empregador pode ser bem direto em relação ao tema durante a entrevista”, diz Palmer. “É bastante comum para os recrutadores perguntar quais as exigências salariais dos candidatos. Esta é uma forma de triagem de candidatos, para saber aqueles que estão em linha com o que a empresa está disposta a pagar.”

Tenha em mente quanto você quer ganhar

Quando o tema salário entra na conversa, tenha na ponta da língua quanto você deseja ganhar e também o quanto você pode diminuir neste montante para aceitar o cargo. É possível determinar esse valo através de uma pesquisa salarial da área que você atua.

Saiba seu valor

Independentemente de quem traz à tona salário, ou quando isso acontece, você deve saber o que você vale a pena para que você possa estar preparado para defender o seu salário desejado entrar em negociações. “Compreender o seu valor irá ajudá-lo a entrar em negociações com uma perspectiva realista”, diz Frank Gentile, diretor do Grupo Staffing Professional.

Autor: Salgado / CEVIU
Fonte: CareerBuilder

A oportunidade que você esperava para se destacar profissionalmente

oportunidade-de-trabalho-1

Chega a Brasília o Dia D – Primeiro Seminário de TI, realizado pela Dissemine Treinamentos em TI e seus parceiros, apresentando as possibilidades e formas de ingresso e crescimento no mercado de tecnologia, como consolidar no ramo e oficinas de especialização de carreiras.

As oficinas são voltadas tanto para os iniciantes que não sabem qual carreira seguir quanto àqueles que já possuem experiência e querem abranger mais conhecimento, que afinal, nunca é demais.

O evento conta com 15 renomados palestrantes e atuantes em suas áreas e abordarão 14 temas, entre eles Banco de Dados Oracle e Análise de Processos. Na área de coaching haverá um interessante bate-papo apresentando o cenário atual da TI e como vencer no mercado cada vez mais concorrido.

O Dia D ocorrerá no dia 12 de dezembro (sábado) nos períodos matutino e vespertino no Centro Universitário UDF, localizada na EQ 704/904 Sul. Confira a programação e não fique de fora, pois as vagas são limitadas

Saiba mais: http://www.dissemine.com.br/diad/

Fonte: Dissemine

Participar ou não participar? Saiba como agir em relação a festas e confraternizações de sua empresa

FestaFimdeAno

O fim de ano se aproxima e as festas e confraternizações nas empresas são inevitáveis. De fato, é uma boa chance de se reunir com seus colegas, brindar, comer e se divertir. Porém, nem todos se sentem à vontade neste ambiente e independente disso, o principal é saber se comportar neste tipo de evento.

Conheça algumas dicas de como não fazer feio nas festas de fim de ano de sua empresa:

Você tem que participar?

A menos que a participação na confraternização ou festa seja obrigatória para todos os funcionários, você não tem que ir. No entanto, em prol do bom convívio social, não falte a todas as celebrações do escritório. Escolha com sabedoria suas ausências.

No caso de comemorações dentro do próprio escritório, caso você esteja envolvido com um grande projeto, você terá um bom motivo para recusar participar. No entanto, mesmo se você não tem tempo para o bolo, vale a pena tentar tirar alguns momentos para cantar o “Parabéns” juntamente com o resto de seus colegas.

Há algum benefício em frequentar festas de escritório?

Certamente. Para começar, fazer parte de ambientes como este demonstra aos empregadores e colegas de trabalho que você gosta de ser parte da equipe. Além disso, confraternizações são uma ótima oportunidade de fazer seu networking com colegas e gestores de outras áreas.

Se você trabalha em uma organização maior ou se é um funcionário remoto, indo para celebrações escritório coloca você em contato com pessoas que interagem com regularidade via e-mail e telefone, mas que geralmente não tem muito contato face a face.

Existem desvantagens em não ir a celebrações de escritório?

Sim. Faltando a muitas confraternizações da empresa, você acaba passando uma mensagem aos colegas e chefes que você está ali apenas para ganhar seu dinheiro e que não é alguém que preze o trabalho em equipe. Se você é introvertido e preferiria não ir neste tipo de evento, diga a si mesmo que você está fazendo isso para sua carreira.

Qual o momento certo de ir embora?

Determinar o melhor momento para dizer au revoir pode ser delicado. Considere a razão para a confraternização. Se é o aniversário de um colega de trabalho, o mais rápido que você deve sair é após o bolo ser partido. Se você estiver participando de uma festa de despedida, no entanto, o melhor a fazer é permanecer na celebração pelo menos até acontecerem os brindes e discursos.

Conclusão

O mais importante das confraternizações da empresa é chegar lá e se divertir. Lembre-se que elas podem ser grandes oportunidades de networking, construindo e fortalecendo as relações de trabalho, e mostrar o seu espírito de equipe.

Fonte: CareerBuilder | Robert Half

Autor: Salgado / CEVIU

Robert Half é maior empresa de recrutamento especializado do mundo com mais de 350 escritórios e 9.000 colaboradores em 21 países. Para mais informações sobre nossos serviços profissionais, visite roberthalf.com